quinta-feira, 25 de maio de 2017

Clarisse e o canto dos pássaros

Você conhece a dor? A dor de não ter esperança, de se sentir preso e sem opções. Enfrentar a realidade sem floreios, sem mentiras que contamos para tornar a vida um pouco mais afável. Eu fugi da minha dor para sobreviver, mas é ela que sempre me manteve forte. E sã, ainda que gritar e chorar e todo o desespero e vontade de acabar com tudo seja visto como um transtorno mental, forma de chamar atenção ou frescura. Afinal, eu sempre tive tudo.Vocês são porcos nojentos que acham que o buraco que existe dentro das pessoas pode ser preenchido com coisas ou deuses. A verdade é que vocês se negam do raciocínio básico para se apegarem a algo. Covardia é o subtítulo da fé.

Eu tenho que vociferar o óbvio e ainda pensam que eu os insulto. Homens, eis aqui o meu insulto: vocês são mimados. Não conseguem enxergar o próprio benefício, mas isso vai acabar. Estamos surgindo de uma vez por todas para quebrar com o império de vocÊs. Os homens que se esfregam nojentos, a falta de esperança e o tormento de saber que nada é justo e pouco é certo e que estmos destruindo o futuro e que a maldade anda sempre aqui por perto.

A violência e injustiça que existe contra todas as meninas e mulhers. Um mundo onde a verdade e o avesso e a alegria já nao tem mais endereço. Clarisse está trancada no seu quarto, com seus discos e seus livros, seu cansaço.

Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
Mas um dia eu consigo resistir
E vou voar pelo caminho mais bonito

Clarisse só tem 14 anos, eu só tinha 13 quando ouvi ess canção pela primeira vez. E cada verdade em cada verso me rasga todas as vezes que a escuto de novo. Eles querem matar tudo que há em nós. Querem que sigamos o sistema e façamos as coisas "certas". Querem dar concreto a quem é do ar. Querem apagar as luzes dos vagalumes. O quão triste é o canto de um pássaro quando ele é torturado, coagido e tem sua comida e seu motivo para existir roubados? Ele não é nada, ele pode morrer e não faria diferença.

Mas, apesar de todo meu discurso derrotista e magoado, minhas amarras que me cegam e as vezes insistem em me roubar a liberdade sempre cairão. E tudo que me ensinaram para me adequar ao mundo criado por gente tenebrosa vai ser esquecido e eu vou encontrar lugares bonitos para ir, sentir, provar. Eu vou aprender a respirar sem ajuda de aparelhos de novo. Vou arrancar os crancos que ess sociedade doente me fez desenvovler e vou ser totalmente pura de novo. E abraçar minha rebeldia, meus defeitos, meu amor e toda  minha selvageria. Ressurgiu o leão que estraçalha qualquer um que entra na sua frente, renasceu a justiça. Destrui os limites do impossível e estarei lá em breve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você é livre.

elysemelo.com

Design por Butlariz