domingo, 15 de julho de 2018

CDR: Vida de Deus

Me lembro de acordar naquela manhã com gosto de sola de borracha na boca. Os flashes da noite anterior já estavam surgindo quando consegui me levantar na quinta tentativa sem ver tudo ao meu redor desmoronar.

Aquele tipo de ressaca já era rotina, catar os caquinhos das garrafas e das alma quebrada também. Tudo em mim era angústia, aflição, opressão, medo e um desespero. Eu sempre busquei um sentido porque não consegui encontrá-Lo no povo que nasci.

As recordações do meu passado, as histórias dos grandes heróis do passado, algumas cantigas de guerra e de agradecimento... Elas sempre vinham à memória nos momentos mais curiosos. Porém, naquela manhã outra coisa veio.

Eu chorava no meu quarto, pensando em comprar finalmente os benditos remédios que me fariam dormir para sempre em paz. A última golada, com um bom vinho chileno que eu havia comprado no mercado. Misteriosamente, o que eu achei que fosse o dia da minha morte realmente foi.

Não para de ler, não é o tipo de história que as pessoas vem do além para contar e te aterrorizar. Eu vim para te apontar o Caminho. O mesmo que me matou naquela manhã de ressaca e a morte que eu busco todos os dias.

Eu e a Dona Morte já fomos bem próximas em espírito. Eu costumava bailar com ela desde criança, minha alma rachada pela dor que ela me causou não buscou vida. Minha maior vontade sempre foi morrer assim como meus queridos amigos morreram.

Sem mais delongas: morri para mim. Como num filme, ou talvez superiormente ao filme mais bem roteirizado que já vi, eu pude ouvir uma voz. A voz me dizia que eu não nasci do álcool para que ele me levasse, muito menos da depressão ou dessa lacuna que sempre busquei preencher.

"Ei, estou aqui e quero responder suas perguntas." Eu estava desnorteada demais para entender tudo o que estava acontecendo, mas o fato é que o próprio Deus invadiu meu quarto e me resgatou, como um bom pastor que busca sempre a ovelha perdida e não descansa até que ela esteja de volta ao aprisco.

Eu sempre soube que se Ele viesse, seu olhar seria para mim irresistível. Abandonei tudo que pude para seguir essa voz que renovou minha identidade. Gradativamente, deixo mais coisas ruins pelo Caminho.

Seguir a Jesus, o Nazareno, que loucura. Glória ao Deus que teve misericórdia de um povo que não clamava por Ele. Graças ao Deus que ama tão violentamente que destrói minhas muralhas todos os dias. Santo é o Senhor, YHWH, Deus de Israel.

O quão incrível é poder participar da VIDA? Porque antes eu estava morta em mim mesma, para mim Ele veio. Hoje, tenho a Vida de Jesus em mim. Como resistir ao chamado? Como você pode resistir ao amor de um Deus que se fez maldição para que você fosse chamado de "bendito do meu Pai' no último dia?

Essa é a minha esperança, é nisso que busco pautar esse novo cotidiano. Se todos os dias eu não encontrar Jesus eu morro, porque tudo é esterco ao redor e nada mais faz sentido se não o Reino Inabalável que em breve vem.

domingo, 8 de julho de 2018

CDR: Santa Ceia

 O evangelho só funciona quando ele pega a pessoa nojenta e podre que você é, sacode e quebra até a vergonha dominar todo o seu ser. Por que? Por ser tão miserável e desprezível a ponto do próprio Deus ter que vir em carne pra te salvar de si mesmo e da lama do pecado que você vive se metendo. Quando o evangelho te apresenta um Jesus que veio pra lavar seus pés e não te apontar os erros, você só consegue sentir seus miolos fritando e suas lágrimas amargas pelo rosto. No caso, lágrimas amargas se você se arrepender de forma genuína. Se você sentir só remorso, mais fácil ir pra forca, não é? Mais fácil ser como Judas Iscariotes e se matar espiritualmente porque o pecado presta mais que Jesus de Nazaré pra você.

Você também sente constrangimento ao lembrar de Cristo ensinando aos discípulos que viemos para servir e que se Ele não nos servisse não teríamos parte com ele? Você se importa com o Senhor?

Durante a santa ceia, ao ver aquele pedaço de pão que simboliza seu corpo e imaginar sua pele sendo rasgada por causa de mim... E o pequeno cálice com o que representava seu sangue? Isso me trouxe vida. Eu sou tão inútil que matei o filho de Deus. Eu sou tão podre que taquei pedra e ri da cara dele enquanto Ele se derramava em amor por mim. Sim, por mim, a pessoa que o ridicularizou. Ele até orou por mim na noite anterior. Por você também, mas você provavelmente presta mais que eu. Sou indigna, eu realmente merecia morrer com força, continuo não prestando se Ele não está presente. Você sabe quem eu fui?

Eu fui uma prostituta. Um viciado. Um idólatra, adúltero e um hipócrita. Eu fui um assaltante, um assassino, um traficante. Por minha causa morreram centenas de crianças, eu as matei de fome e de sede. Por causa de dinheiro, eu processei meu pai idoso em busca de uma herança maldita. Eu sou o pastor que bateu nas paredes de um templo construído por mãos humanas gritando que era meu e que se alguém não aceitasse meu caso extraconjugal eles poderiam ir pra rua. Eu fui o marido que espancou a esposa enquanto ela orava pedindo a Deus para eu voltar em segurança do bar. Por minha causa mais de 50 jovens se afastaram da coisa mais parecida à uma família estruturada que eles jamais tiveram. Eu sou aquele que só soube criticar ao invés de ajudar. Eu sou aquela se fez de sonsa, fingindo que não era comigo quando o pregador falava “VÁ E FAÇA DISCÍPULOS”.

Meu sonho é que eu morra, de verdade, porque quando eu morrer vocês só verão Jesus através de mim. Enfim, como aceitar/compreender que Jesus (perfeito, Rei, justo, absurdamente lindo e bondoso) poderia ter algum interesse no ser humano estragado que eu sou? Isso jamais vai entrar na minha cabeça, eu acho.

O que me resta, ao lembrar de seu sacrifício, do seu amor e do seu serviço? Entregar minha vida pelos meus amigos como ele fez e me ordenou a fazer. Ser imitador dele. Não dá pra ser apenas servo, ir aos domingos, manter uma vidinha pacata, casar e ter filhos e depois esperar a aposentadoria. Se esse Jesus me quis, então eu quero ir nisso até as últimas consequências como Pedro fez (morreu crucificado de cabeça pra baixo). Ou ainda, como Paulo, nosso apóstolo aos gentios, que morreu com sua cabeça cortada. Se Jesus me quis eu quero Ele, não que eu tenha uma opção melhor, sabe. Sem Ele eu morro e sou torturado eternamente num lugar onde só existirá choro.

Outro dia Ele disse que nesse nosso novo lugar não haveria mais choro e eu chorei mais alto ainda. Eu não conheço nada além de dor e de choro, amargura na alma, essa rachadura aqui no meu peito que não para de sangrar. É louco pra mim pensar num lugar que isso não existe.


Por que não acreditar no poder do evangelho? Nesse poder misterioso que fez os 11 morrerem tragicamente, estraçalhados por perseguição, com sua fé inabalada? Não somos mais apenas servos, nos tornamos amigos e um amigo como Jesus é um amigo pelo qual a gente dá a vida. Ele deu a dele por mim, o MÍNIMO que posso fazer é dar a vida por ele e morrer com ele.

Que assim o conheçam, que sejamos conhecidos por dar nossas vidas por quem cospe na nossa cara, ri de nós e diz que você é só um carpinteiro mumificado numa Igreja corrupta, prostituida e perversa.

Que não sejam apenas palavras ou moveres, mas que o poder que há no seu evangelho seja tão real e que quando formos levantados contigo todos os olhares se atraiam. Você foi levantado e me atraiu, que eu possa fazer o mesmo, essa sempre será minha meta na vida
elysemelo.com

Design por Butlariz