domingo, 15 de julho de 2018

CDR: Vida de Deus

Me lembro de acordar naquela manhã com gosto de sola de borracha na boca. Os flashes da noite anterior já estavam surgindo quando consegui me levantar na quinta tentativa sem ver tudo ao meu redor desmoronar.

Aquele tipo de ressaca já era rotina, catar os caquinhos das garrafas e das alma quebrada também. Tudo em mim era angústia, aflição, opressão, medo e um desespero. Eu sempre busquei um sentido porque não consegui encontrá-Lo no povo que nasci.

As recordações do meu passado, as histórias dos grandes heróis do passado, algumas cantigas de guerra e de agradecimento... Elas sempre vinham à memória nos momentos mais curiosos. Porém, naquela manhã outra coisa veio.

Eu chorava no meu quarto, pensando em comprar finalmente os benditos remédios que me fariam dormir para sempre em paz. A última golada, com um bom vinho chileno que eu havia comprado no mercado. Misteriosamente, o que eu achei que fosse o dia da minha morte realmente foi.

Não para de ler, não é o tipo de história que as pessoas vem do além para contar e te aterrorizar. Eu vim para te apontar o Caminho. O mesmo que me matou naquela manhã de ressaca e a morte que eu busco todos os dias.

Eu e a Dona Morte já fomos bem próximas em espírito. Eu costumava bailar com ela desde criança, minha alma rachada pela dor que ela me causou não buscou vida. Minha maior vontade sempre foi morrer assim como meus queridos amigos morreram.

Sem mais delongas: morri para mim. Como num filme, ou talvez superiormente ao filme mais bem roteirizado que já vi, eu pude ouvir uma voz. A voz me dizia que eu não nasci do álcool para que ele me levasse, muito menos da depressão ou dessa lacuna que sempre busquei preencher.

"Ei, estou aqui e quero responder suas perguntas." Eu estava desnorteada demais para entender tudo o que estava acontecendo, mas o fato é que o próprio Deus invadiu meu quarto e me resgatou, como um bom pastor que busca sempre a ovelha perdida e não descansa até que ela esteja de volta ao aprisco.

Eu sempre soube que se Ele viesse, seu olhar seria para mim irresistível. Abandonei tudo que pude para seguir essa voz que renovou minha identidade. Gradativamente, deixo mais coisas ruins pelo Caminho.

Seguir a Jesus, o Nazareno, que loucura. Glória ao Deus que teve misericórdia de um povo que não clamava por Ele. Graças ao Deus que ama tão violentamente que destrói minhas muralhas todos os dias. Santo é o Senhor, YHWH, Deus de Israel.

O quão incrível é poder participar da VIDA? Porque antes eu estava morta em mim mesma, para mim Ele veio. Hoje, tenho a Vida de Jesus em mim. Como resistir ao chamado? Como você pode resistir ao amor de um Deus que se fez maldição para que você fosse chamado de "bendito do meu Pai' no último dia?

Essa é a minha esperança, é nisso que busco pautar esse novo cotidiano. Se todos os dias eu não encontrar Jesus eu morro, porque tudo é esterco ao redor e nada mais faz sentido se não o Reino Inabalável que em breve vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você é livre.

elysemelo.com

Design por Butlariz